Cotidiano escolar

Qual é o papel da gestão escolar no combate ao bullying?

O combate ao bullying deve ser uma preocupação de todos, inclusive dos responsáveis pela gestão escolar. Apesar de ser encarado ainda, em muitos casos, como uma simples “brincadeira”, o bullying é uma forma de agressão que tem graves consequências para o psicológico de uma criança, como isolamento social, perda de autoestima e baixo desempenho escolar.

De acordo com uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef), 43% dos estudantes de 11 a 12 anos já foram vítimas de violência física ou psicológica nas escolas brasileiras pelo menos uma vez. Dados como esses mostram que se trata de algo grave e que precisa ser combatido. Mas fica a dúvida: como combater o bullying? Entenda a seguir!

Como lidar com o bullying?

Uma brincadeira é bem diferente de uma ofensa. Se uma fala ou ação — seja de um indivíduo, seja de um grupo — gerar desconforto, vergonha ou humilhação para a vítima, configura-se uma agressão. Caso isso ocorra de maneira rotineira, há uma situação de bullying.

Também, é preciso ter atenção a um problema que vem crescendo com o uso da tecnologia: o cyberbullying, que apresenta consequências ainda piores, pois a humilhação e as ofensas continuam além dos muros da escola, com os ataques e ofensas pela internet.

A grande diferença entre o cyberbullying e o bullying convencional é que o primeiro permite o autor das agressões se esconder por trás de perfis falsos, os famosos “fakes” das redes sociais, conforme artigo do portal Nova Escola. Dessa forma, a vítima se sente ainda mais  impotente, já que, muitas vezes, pode ser difícil encontrar a verdadeira identidade daquele que a ofendeu.

Qualquer agressão ou bullying, precisa ser combatido logo que percebido para evitar sua propagação e o desencadeamento de seus efeitos negativos nas crianças e adolescentes.

Para isso, é importante criar ações de conscientização, até mesmo de maneira preventiva, para prevenir desgaste, principalmente, para os alunos, mas também para os funcionários e a instituição. Além disso, se for o caso, também é válido punir os responsáveis pelo ato.

Vale lembrar ainda que nem sempre as vítimas vão se sentir seguras e confortáveis para fazer a denúncia, por temer que o relato seja desacreditado ou que as agressões piorem. Por isso, é fundamental que os educadores observem o cotidiano escolar e estejam atentos a sinais, como mudanças bruscas de comportamento do aluno, isolamento, recusa em frequentar a escola ou determinada atividade, dentre outros.

Qual o papel da escola no combate ao bullying?

Como local em que muitos desses conflitos acontecem, a escola tem um papel essencial no combate ao bullying. Para lidar com esse problema, é importante pensar em ações e iniciativas que estimulem a difusão de boas ideias e diversidade.

Por exemplo, pode-se trabalhar com projetos voltados para a formação de valores, estimular o debate sobre bullying e agressão, incentivar a solidariedade entre alunos e professores, pensar em formas de aprendizagem e ensino mais colaborativas ou criar maneiras mais efetivas de comunicação entre professores, pais e alunos, como reuniões regulares para discutir problemas.

É importante também registrar as situações de violência que ocorrem na escola, pois assim, é mais fácil perceber se há focos de problemas em uma mesma turma ou por contextos similares e realizar ações preventivas ou punitivas com maior eficácia.

Além disso, deve-se criar uma relação de confiança entre a escola e o aluno para que, caso seja vítima ou presencie uma agressão, ele se sinta seguro para denunciar.

Como deve ser a atuação do educador?

Quando o professor, coordenador ou outro educador da instituição de ensino presenciar ou souber de alguma situação de bullying, é essencial que ele ou ela não se omita diante da agressão.

O profissional deve levar em conta o seu papel de educar não apenas em relação aos conteúdos didáticos, mas também para uma vida ética em sociedade.

As agressões entre alunos são uma questão presente em muitas escolas, mas há diversas formas de resolver esse problema. Por isso, é preciso ter perseverança nas ações tomadas pela gestão escolar para fomentar o combate ao bullying.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe este post com seus amigos nas redes sociais!