Cotidiano escolar

Como trabalhar a pluralidade cultural na escola? Veja aqui!

É um tanto clichê mencionarmos isso, mas não podemos negar a veracidade destas palavras: os jovens representam o futuro da humanidade e a esperança de dias melhores para as nações. É nosso dever transmitir a essa nova geração valores morais capazes de destruir a intolerância de tempos passados.

Assim, torna-se indispensável entender como trabalhar a pluralidade cultural na escola, com o objetivo de frear o assédio escolar e, consequentemente, a institucionalização de qualquer forma de preconceito.

Se você tem interesse por esse assunto, não deixe de ler o conteúdo que produzimos a seguir, abordando algumas maneiras efetivas de fazer isso. Acompanhe!

Destaque o valor da diversidade cultural

No ambiente escolar construímos nossas primeiras relações sociais. Por esse motivo, gestores, juntamente com professores, devem se preocupar em garantir que haja um clima acolhedor e solidário, no qual as diferenças entre colegas são genuinamente respeitadas e aceitas.

Para tal, é possível realizar ações que demonstrem a beleza e o valor da diversidade cultural. Um modo de efetuar isso é levar às salas de aula filmes e documentários que abordem diferentes costumes e tradições de distintas nações. Ao final, promover uma discussão acerca do que foi exibido — sempre com a mediação de educadores.

Imagine que essas atividades podem ser periódicas. Vale a pena até criar uma semana sobre diversidade cultural com apresentações, palestras e workshops sobre expressões artísticas, música e comidas típicas.

Enfatize a importância da tolerância religiosa

Você sabia que a religião é um dos principais motivos de bullying nas instituições de ensino? É lamentável que isso continue existindo, mas diversos alunos sofrem preconceito por serem adeptos a outras religiões, sobretudo as afro-brasileiras.

Para estimular a tolerância nas escolas, é preciso privilegiar a diversidade religiosa que há no Brasil, considerando ainda a existência de pessoas adeptas ao ateísmo e agnosticismo, por exemplo — afinal, a liberdade de não crença também precisa ser respeitada.

Recomendamos que esses temas não sejam tratados como tabu. Desse modo, incite discussões que partam de questões centralizadoras, como: “quais religiões você conhece?”, “o que você compreende como religião?” ou “você convive com pessoas que têm crenças diferentes das suas?”. Ao fazer isso, envolva o restante da comunidade escolar para promover a reflexão coletiva.

Além disso, considere que os temas relacionados à religião podem ser trabalhados de modo transversal por meio de disciplinas, como a Geografia, História, Filosofia, Sociologia e a Literatura.

Estimule o respeito à diversidade étnico-racial

O Brasil é miscigenado e multirracial. Então, nada mais natural do que enfatizar, desde cedo, a necessidade de respeitar e acolher a diversidade étnico-racial presente em nosso país.

Para isso, é interessante se valer da Literatura, indicando, por exemplo, a leitura de obras que mostrem a perversidade da escravidão e a capacidade de povos negros de sobreviver e se reerguer. Ou, ainda, livros que abordem a imigração japonesa e o preconceito que os nipo-brasileiros sofrem em nossa sociedade.

Promova a integração entre os alunos

Saiba que nenhuma ação será realmente efetiva se não houver a integração real entre todo o corpo discente. Na verdade, é essencial envolver alunos, de diferentes turmas e idades, em atividades que visam a valoração da pluralidade cultural.

O que acha de conversar com a coordenação pedagógica sobre isso? Além disso, envolva também os responsáveis pelos alunos para garantir a aproximação de todos.

Pronto! Agora você já conhece formas efetivas de como trabalhar a pluralidade cultural na escola. O que acha de, então, dividir essas ideias com a comunidade escolar e estimular a gestão participativa? Lembre-se que por meio do diálogo, é mais fácil garantir um ambiente educacional democrático, acolhedor e humano!

Você gostou deste artigo? Aproveite para compartilhá-lo agora em suas redes sociais. Assim, seus colegas também podem aprender a como trabalhar a pluralidade cultural na escola!