Administração na prática

Como fazer um planejamento escolar eficiente? Descubra aqui!

O planejamento escolar funciona como uma espécie de mapeamento daquilo que a instituição de ensino se dispõe a fazer para oferecer as melhores condições de aprendizado aos estudantes. Isso permite a criação de uma base educacional eficiente para o corpo docente, a fim de construir uma relação mais próxima entre alunos e professores.

Com o conhecimento daquilo que será realizado, a escola consegue providenciar suas iniciativas para que os educadores e demais colaboradores assumam as devidas responsabilidades para realizarem seu trabalho com eficiência.

Portanto, o planejamento escolar nada mais é do que um plano elaborado para determinar as atividades futuras da instituição. No entanto, além dos assuntos básicos — como estruturação das turmas, definição dos conteúdos da grade de horários, elaboração do calendário escolar, etc. —, esse documento é essencial para entender como a escola terá de cumprir suas obrigações de ensino diante de suas demandas.

Continue lendo este conteúdo para descobrir como fazer esse planejamento.

Envolva toda a comunidade escolar

A primeira coisa é escutar o que todos os profissionais comprometidos com o andamento da educação e do ambiente de aprendizagem têm a dizer. Afinal, só eles poderão relatar como é a convivência com os estudantes em sala de aula, bem como os seus limites e possibilidades.

Essas participações podem ajudar tanto na criação do planejamento escolar quanto no controle e medição de resultados do ano letivo. São esses professores que fornecerão a você, gestor educacional, um cenário para futuras tomadas de decisão.

Outro fator relevante para o envolvimento de todos é a questão prática. Quando uma mudança é pretendida, é necessário compreender como ela será aplicada. Um bom exemplo é a implementação de um novo sistema de gestão escolar. Disponibilize algumas semanas de treinamento e adaptação para que todos consigam dominar a ferramenta.

Faça análises e promova melhorias

Uma análise minuciosa de todos os departamentos da instituição garante uma visão panorâmica das deficiências. Relatórios de gestão são imprescindíveis para esse diagnóstico, pois eles apontam detalhes concretos sobre a evolução das atividades de ensino.

Por exemplo, com essas descrições em mãos, é possível descobrir quais são as matérias que grande parte dos alunos teve dificuldade, a fim de melhorar esse cenário. Isso pode ser feito ao promover aulas de reforço, otimizar o formato de avaliação ou buscar apoio e assessoria de especialistas na área de gestão educacional.

Organize seu planejamento escolar com eficiência

Depois de reunir todos os envolvidos, realizar análises e levantar as melhorias necessárias, chegou a hora de registrar tudo que foi cogitado. Um bom planejamento deve elencar todas as metas, ideias, prazos e responsáveis pelas etapas para que todos compreendam seus respectivos papéis.

Comece compilando todos os pontos que fazem parte do seu plano, a exemplo:

Calendário escolar

A Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional prescreve que todas as escolas devem cumprir, no mínimo, 800 horas e 200 dias letivos. Logo, é fundamental saber quais serão os dias do ano letivo, além de definir as datas de recessos e emendas de feriados.

Currículo escolar

É necessário planejar o currículo escolar com antecedência e determinar quais serão as matérias dadas ao longo do ano. Isso ajuda a elaborar o quadro de horários, pois cada disciplina exige uma carga horária mínima necessária. 

Métodos de ensino e avaliação

Caso seja necessário mudar métodos de ensino e avaliação, avalie o desempenho geral da instituição por meio de resultados conseguidos em anos anteriores. Depois, consulte o corpo docente para buscar sugestões de melhorias. Por fim, entre em um consenso democrático com todos os professores para tomar a melhor decisão.

Projetos e programas

Descreva os projetos e programas a serem realizados este ano. Por exemplo, uma feira de profissões, o incentivo à preservação da natureza, um quadro de aulas extras ou excursões (atividades extraclasse) para ajudar no aprendizado dos alunos.

Avalie todos os esforços do planejamento escolar

Existem várias maneiras de se avaliar um esforço e isso depende muito do grau de comprometimento dado por cada um. Para avaliar um programa de longo prazo, será preciso fazer uma avaliação que também seja minuciosa e duradoura.

Por exemplo, se você tem o intuito de criar um programa de prevenção de bullying, a avaliação poderá ser realizada com aplicação periódica de questionários (e entrevistas) a todos os alunos. Afinal de contas, são eles o “público-alvo” desse projeto, e somente com o relato sincero dos estudantes será possível fazer uma avaliação realista.

Também é importante acompanhar a situação de um problema antes de investir em ações para resolvê-lo. Com isso, pode ser feito um monitoramento mais preciso da solução. Por exemplo, levantar os índices de bullying antes de implantar o programa para sanar esse problema e observar ao longo do ano os indícios para verificar se esses casos estão diminuindo ou não.

Delegue responsabilidades

Quando falamos em envolver a comunidade escolar, isso significa delegar tarefas e responsabilidades, ou seja, promover uma administração participativa (descentralizada). Portanto, todas as ações definidas no planejamento escolar devem ter um responsável.

Aliás, diversas instituições nomeiam um supervisor escolar para atuar como braço direito do gestor. Além de dar suporte significativo na criação de projetos pedagógicos, esse profissional deve assumir a função de coordenar e monitorar todos os procedimentos fixados na programação.

Implemente novas tecnologias

Todo ano (ou em períodos mais curtos) novos sistemas e funcionalidades são lançadas para simplificar a execução de tarefas e a mensuração de dados.

Considere a possibilidade de utilizar um software de gestão escolar, para que você e sua equipe tenham mais tempo para focar em atividades que realmente importam — como garantir um ensino de qualidade a todos os alunos.

Faça reuniões para feedback

Não se esqueça de fazer reuniões para receber feedback. Nesses ajuntamentos, que podem ocorrer em diversos momentos (bimestral, trimestral ou semestral), os educadores, coordenadores e representantes de funcionários e alunos terão a oportunidade de explicar como está o cumprimento das metas estabelecidas no início do ano letivo. 

E então, o que achou das nossas recomendações para fazer um planejamento escolar eficiente? Ao colocar essas dicas em prática, certamente melhorará a sua gestão escolar. Assim, os resultados serão sentidos tanto dentro quanto fora da escola, o que favorece sua reputação perante o mercado de ensino da sua região.

Se você gostou deste conteúdo e deseja ficar por dentro de novidades sobre gestão de ensino, siga a página da Szabo Assessoria no Facebook.