Cotidiano escolar

Contratação de professores: 6 passos para um processo eficaz

Um dos momentos mais delicados de qualquer negócio é a fase do processo seletivo para a escolha de novos colaboradores. Afinal, escolher a pessoa mais adequada para compor seu time é complicado e exige uma série de cuidados importantes para não comprometer a imagem da sua escola, bem como afetar a eficiência da instituição, o relacionamento entre os colaboradores, além de outras questões internas.

Na gestão acadêmica não é diferente. A contratação de professores deve ser feita de forma eficiente, pois, caso contrário, poderá colocar em xeque o prestígio e a credibilidade de sua instituição, prejudicando o aprendizado dos alunos. Além disso, há também impactos em diversas outras áreas, comprometendo a qualidade do ensino, gerando prejuízos financeiros, entre outros.

Vamos mostrar 5 passos fundamentais para que seja um processo eficiente e com bons resultados. Boa leitura!

1. Confira a legislação vigente

Antes de qualquer coisa, é fundamental que o setor de RH da escola se dedique a observar quais são as possibilidades de contratação e dispositivos legais presentes na legislação vigente. Isso porque a legislação trabalhista tem passado por diversas mudanças nos últimos anos, principalmente com a última reforma realizada na CLT.

Além disso, como a profissão de professor tem peculiaridades devido à sua natureza — ele não atua apenas em sala de aula, de forma que seu tempo de serviço também conta o período de preparação das aulas que serão ministradas.

Por isso, é fundamental avaliar o que os dispositivos legais dizem sobre a contratação, principalmente sobre benefícios e número máximo de horas de trabalho.

2. Escolha um modelo de contrato

Há duas principais formas de contratação para profissionais em escolas: contratação via CLT, como funcionário da instituição ou como PJ, ou seja, como prestador de serviço para o local.

Com a possibilidade do MEI, um professor pode atuar como um prestador de serviço para a instituição, de forma que alguns encargos trabalhistas não precisam ser arcados pela escola, sendo o profissional o responsável por isso.

Porém, esse tipo de conduta enfraquece o vínculo do professor com a instituição, de forma que ele poderá se desligar com maior facilidade, deixando uma vaga aberta, prejudicando o local e os alunos.

Portanto, é fundamental avaliar qual é a melhor opção, com o melhor custo-benefício para sua instituição, de forma a ter um contrato mais atrativo para todas as partes.

3. Seja transparente sobre suas expectativas

Todo o processo seletivo necessita ser feito de forma transparente, clara e direta para seu público. Assim, evita-se surpresas desagradáveis após a realização da contratação.

Por exemplo, é fundamental deixar bem claro ao longo do processo os valores que serão pagos como salário, os benefícios e a carga horária que deverá ser cumprida pelo profissional. Assim, caso ele não tenha disponibilidade ou acredite que está fora do seu perfil, poderá abandonar o processo seletivo antes da contratação.

Isso evita perdas financeiras, bem como diminui taxas de turnover (indicador que mostra o volume de entrada e saída de colaboradores da sua escola. Seu índice elevado pode ser um sinal de graves problemas).

Além disso, a transparência é um valor importante a ser cultuado nas mais diferentes instituições. Por isso, agir dessa forma com os candidatos de processos seletivos é fundamental para manter esse princípio em seu local.

4. Defina um perfil de profissional que deseja para sua escola

Para trabalhar com crianças e jovens, é fundamental que o profissional tenha um perfil bem específico, dentro das peculiaridades que a área da educação tem. Por isso, é fundamental que o gestor defina qual o perfil que ele deseja para essa profissão.

O profissional precisa ter consciência do seu papel na educação básica, no quanto ele está envolvido na formação cognitiva, pessoal e, muitas vezes, até sentimental dos seus alunos. Além disso, ele deve se dedicar a estar sempre se aprimorando por meio de cursos e treinamentos para conseguir oferecer o melhor para as turmas. O gestor também deve ficar atento para promover a formação continuada de professores!

Identifique quais são as principais demandas que a escola tem, para que seja possível definir o perfil correto de profissional. Por exemplo, se o foco da instituição é uma formação bilíngue, o especialista deve ter domínio na segunda língua escolhida para ser oferecida na instituição.

Se o foco for outras metodologias de aprendizagem (como a pedagogia Waldorf, Montessori, entre outras), o profissional deve dominar esses métodos, a fim de que possa atuar devidamente nesse tipo de metodologia.

5. Avalie os pontos importantes dentro de sala de aula

Além de um perfil ideal, é fundamental que o professor tenha domínio de alguns pontos importantes que influenciam na educação dos alunos. Lembre-se sempre que o educador é o espelho da instituição. Aqueles que não façam seu trabalho de forma adequada poderão colocar em xeque a posição do local no mercado de educação.

Alguns pontos que devem ser avaliados nos professores são:

  • controle em sala de aula: o professor precisa ter domínio da classe, independentemente da faixa etária, de forma a conseguir realizar seu trabalho sem interrupções e sem comprometer a qualidade da aula;
  • domínio de novas tecnologias: o professor precisa utilizar os recursos tecnológicos para captar a atenção dos alunos e estimulá-los ao longo das aulas. Aplicativos, softwares, sites educativos, jogos, entre outras ferramentas focadas para a área educacional devem ser exploradas;
  • observar a didática do profissional: ele pode ter um grande domínio de conhecimento, mas não saber como passar isso para os alunos. Por isso, essa é uma competência fundamental a ser observada;
  • avaliação de experiências anteriores: ele é instável em sua carreira? Teve problemas de conduta em outras escolas? Foi reconhecido ou elogiado pelo seu trabalho?

A contratação de professores é um momento delicado e é fundamental que os gestores estejam atentos para fazer as melhores escolhas e optar pelos candidatos que possam, de fato, trazer benefícios para a instituição.

Quando feito de forma inadequada, poderá gerar problemas para a organização. Caso se instale uma crise, é preciso contornar a crise para recuperar o prestígio. Uma das formas de garantir é por meio do método Turnaround. Já ouviu falar sobre ele? Leia nosso artigo e saiba mais sobre o tema.